large-image
thumb

MURTA Rosé 720 nuits IG Lisboa

Este vinho foi feito numa edição muito limitada, concebido a partir de uvas de Touriga Nacional das mais frescas parcelas. A colheita, ocorreu de manhã bem cedo, na Quinta da Murta, decorriam os primeiros dias de Setembro de 2012.

Durantes as primeiras horas, macerou a baixas temperaturas. Findo este tempo, foi prensado e deixou-se vinificar como um grande branco. Amadureceu depois durante 720 noites em barricas de carvalho Francês antes de um novo sono em garrafa.

As sensações frutadas e florais provenientes da uva fresca, funde-se na perfeição com as notas de madeira, dando origem a um grande vinho de corpo médio, ideal para guardar ou tirar prazer já.

Fresco, mineral, frutado e com notas de flores, apresenta-se macio e com um final prolongado.

Vinho para ser bebido com qualquer tipo de prato desde o peixe branco às carnes vermelhas.

Comparar
Categoria: .
Partilhar Produto:

Terroir único constituído de calcário e marga orientado a sul e sudoeste, é protegida dos ventos atlânticos por uma cordilheira de montes, originando vinhos de frescura refinada

A Quinta da Murta está retirada dos olhares pelas suaves colinas calcárias da região de Bucelas. Localiza-se a cerca de 25 km, para Norte de Lisboa, na bacia Lusitânica, cujos solos datam do período Jurássico. O solo é composto por margas calcárias e calcários cristalinos, com numerosas presenças de fosseis como trigónia, ostras e bivalves vários como os buchotrigonia freixialensis e anchispirocyclina lusitânica. Tudo isto contribui para uma refinada mineralidade, com notas de concha e uma subtileza arredondada do vinho.

A vinha está plantada nas encostas altas, a 250 metros de altitude. Orientada a sul e sudoeste, é protegida dos ventos atlânticos por uma cordilheira de montes. A área goza de um microclima muito específico. Húmido e relativamente frio no inverno e durante as noites, contrastando com dias quentes e secos durante o verão. Tudo isto contribui para uma maturação lenta, mas perfeita que retém a frescura do oceano atlântico.

Uma viticultura tradicional onde se privilegia a bio-dinâmica

Antes da plantação da vinha, há mais de 20 anos atrás, o solo calcário encontrava-se ocupada por arbustos com bagas de murta. O solo foi mexido a 2 metros de profundidade, esterco de cavalo e vaca foram espalhados e enterrados antes do plantio.

A vinha é cultivada naturalmente numa área protegida com respeito à biodiversidade da fauna e flora. Plantada com uma baixa densidade de plantas (4.000 plantas / há) é podada duas vezes, uma durante o inverno e outra na primavera. Usa-se o cordão Royat bilateral como sistema de condução escolhido. Adubação orgânica e irrigação gota a gota, são reduzidas ao seu nível mais baixo e é usado um sistema de controlo integrado de pragas, privilegiando sempre biodinâmica, permitindo a colheita de alta qualidade e uva aromática a um baixo rendimento de 6t/ha.

Processos de enologia e maturação muito específicos, tudo realizado na propriedade para a melhor revelação dos constituintes da fruta, da sua frescura e da complexidade dos sabores

A colheita é manual e feita em pequena caixa de 25 kg no melhor ponto de maturação, nas parcelas menos expostas ao sol, de forma a conseguir os mais indicados níveis de acidez, açúcar e complexidade aromática, seguido por uma separação delicada das uvas evitando podres ou verde, ao qual se segue um suave desengace e esmagamento.

O vinho é elaborado, em exclusivo, de uma seleção cuidada de uvas da casta Touriga Nacional. Após um contacto pelicular a frio, que retira componentes de cor e aroma das peliculas, o mosto resultante fermenta durante cerca de 3 semanas a baixas temperaturas a fim de potenciar a enorme riqueza aromática contida na casta. Seguindo o método tradicional “método champenoise”, no qual o gás é conseguido pela segunda fermentação em garrafa, o degorgement é manual e ocorre depois de um prolongado estágio de um ano e meio “sur lie”. Todos os processos de vinificação e maturação utilizados vão no sentido de conseguir vinhos espumantes com elevada complexidade, profundidade dos sabores e obtenção das mais finas bolhas.

Quinta da MURTA: Um nome

Apelidado de príncipe dos vinhos Portugueses, em Bucelas produz-se o mais afamado branco seco do país, recorrendo à casta Arinto que foi cultivada e desenvolvida pelos Romanos há mais de 2000 anos. Os marinheiros da caravela S. Gabriel celebraram com vinho de Bucelas o seu regresso a Portugal, depois da descoberta do caminho marítimo para a India.

No tempo de Shakespeare, Bucelas tornou-se popular em Inglaterra, principalmente na corte. Na peça “Henry VI” escrita por Shakespeare em 1594, o “copo de Charneco” que o dramaturgo ofereceu a um dos seus personagens na peça, era vinho de Bucelas.

Análises

Ainda não há análises a este produto.

Seja o primeiro a fazer uma análise “Murta Rosé 720 Nuits IG Lisboa 2012”

Análises

Ainda não há análises a este produto.

Seja o primeiro a fazer uma análise “Murta Rosé 720 Nuits IG Lisboa 2012”